A BR–116, entre São Paulo e Curitiba, sob administração da Autopista Régis Bittencourt, empresa do Grupo Arteris, apresentou redução de 8,3% no número de... Rodovia Régis Bittencourt reduz em 8,3% o número de vítimas fatais em 2016

A BR–116, entre São Paulo e Curitiba, sob administração da Autopista Régis Bittencourt, empresa do Grupo Arteris, apresentou redução de 8,3% no número de vítimas fatais em 2016, em comparação ao ano anterior. De acordo com a empresa, em 2015, foram 96 vítimas fatais. Já em 2016, o número reduziu para 88. É o quarto ano consecutivo que a concessionária registra redução de vítimas fatais, sendo que o acumulado do período é 55% menor que em 2013.

Retorno em desnível construído no KM 308, em São Lourenço da Serra – Reprodução

Segundo a administradora da rodovia, um dos fatores para a diminuição no número de vítimas fatais em acidentes na BR se deve ao constante investimento em obras de melhorias e infraestrutura para garantir a fluidez no trânsito e a segurança dos usuários. O resultado destes investimentos se reflete também na redução do número de ocorrências. Em 2016, a redução no número de acidentes foi de 9,5% comparado com o ano anterior.
Os tipos de ocorrências que mais apresentaram redução foram as colisões frontais (30,4%), saídas de pista (30%) e as colisões traseiras (12%). Quanto aos acidentes com vítimas fatais, as estatísticas de redução que mais se destacaram foram as quedas de moto (72%), saídas de pista (66%) e tombamentos (50%).

Desde 2011, a concessionária registra resultado favorável na redução de acidentes na rodovia, na comparação ano a ano. Se comparados os resultados de 2016 e 2011, por exemplo, a redução é de 27%, sendo que há cinco anos o balanço anual havia fechado em mais de 6 mil acidentes/ano.

“Somos cientes da nossa grande responsabilidade com os usuários e estamos trabalhando para oferecer uma infraestrutura segura e de qualidade. Assumimos importantes compromissos de investimentos, como na duplicação dos 30,5 quilômetros da Serra do Cafezal, e muitas outras obras que já fazem da Régis Bittencourt uma rodovia mais segura”, comenta o diretor superintendente, Eneo Palazzi.

Atualmente, a Régis Bittencourt possui 67 passarelas. Destas, 50 foram construídas pela concessionária. Mais seis obras de passarelas estão em andamento. A concessionária também já implantou vinte novos dispositivos de retorno em desnível, eliminando, consequentemente, a travessia insegura pela rodovia, feita anteriormente por retornos em nível, que foram fechados após a conclusão das obras de novos retornos e acessos.

A rodovia também ganhou trechos de marginais no Vale do Ribeira – Miracatu, Juquiá, Registro, Pariquera-açu, Cajati e Jacupiranga – e no Acesso Norte de Curitiba e importantes obras de melhoria estrutural em pontes e viadutos.

Revisão dos veículos

Para este ano, a Concessionária trabalhará junto aos motoristas a importância da revisão periódica nos veículos. O motivo são as ocorrências registradas por acidentes ocasionados por falta de freio, estouro de pneu, roda solta de caminhões e carretas, entre outros. A revisão periódica de veículos é uma exigência do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), do contrário, o veículo pode ser apreendido.

“Além da lei, a busca por segurança justifica a importância de manter revisão periódica em dia. Por meio de campanhas educativas, vamos alertar os usuários, principalmente condutores de veículos pesados, a criarem o hábito do checklist diário em seus veículos”, afirma o gerente de tráfego da Autopista Régis Bittencourt, Francisco Pires.

Em 2016, foram registradas mais de 144 mil ocorrências que geraram mais de 197 mil atendimentos. Para isso, as equipes da Autopista estão treinadas para prontamente servir os usuários. Para atendimento este trabalho, a concessionária disponibiliza cerca de 70 veículos operacionais, entre guinchos, ambulâncias, inspeção de tráfego, veículos de combate a incêndios e apreensão de animais na rodovia.

 

*Informações Jodely Muniz – Arteris

Nenhum comentario.

Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Necessário*